Sintomas da endometriose: fique ligada aos sinais!

| |

Uma pesquisa realizada pelo DataFolha, junto a Bayer e Febrasgo, descobriu que 55% das brasileiras odeiam menstruar

Apesar de passarem pelo ciclo todo mês, e desde pequenas saberem da existência da menstruação, a relação com o fenômeno natural não é nada amigável.

Os sintomas pré menstruais e o sangramento foram apontados como os responsáveis pelo desafeto. Para as mulheres com endometriose essa realidade é ainda mais difícil.

Quer saber o motivo? É só continuar lendo o post que explicaremos tudo.

Os sintomas da endometriose

As mulheres com endometriose têm um excesso de endométrio (tecido responsável pela menstruação). Essa anomalia faz com que as cólicas, fluxo menstrual e os desconfortos corporais sejam ainda mais violentos e persistentes.

É importante estar atento aos sintomas da endometriose listados abaixo, porque alguns deles não se manifestaram até a adolescência, e existem pacientes que permanecem assintomáticos, por vários anos.

1. Dor pélvica

A dor pélvica é o sintoma mais comum entre as mulheres portadoras de endometriose. O sintoma é quase sempre associado às cólicas menstruais. 

No entanto, o incômodo da própria anomalia acontece em qualquer horário ou fase do mês, sem que necessariamente a paciente vá menstruar. 

As mulheres diagnosticadas com endometriose, relatam que, durante a fase da menstruação, as cólicas são muito mais intensas e severas, ao ponto de não aliviarem com analgésico.

 Vômitos, desmaio, dormência dos pés, queda da pressão, queda de cabelo, dor de cabeça são sintomas combinados com a cólica forte nos dias de sangramento. 

A normalização das dores pélvicas, e os sintomas secundários, são os que mais atrasam o diagnóstico da mulher. A cultura de esperar que o ciclo menstrual seja um fenômeno doloroso e angustiante faz com que a paciente viva por anos com esse sintomas, sem saber que tem endometriose.   

2. Dores nas relações sexuais

A dor durante as relações sexuais também é uma realidade entre as portadoras da doença. O desconforto acontece porque a endometriose provoca a inflamação no útero e parte do canal vaginal

Na hora da penetração profunda, o parceiro pressiona uma região que já está lesionada e, então, intensifica a dor.

 Algumas mulheres acabam evitando as relações, o que a longo prazo gera consequências psicológicas como angústia e insatisfação com o próprio corpo.

A alternativa mais eficaz é comunicar o problema com o ginecologista de confiança. O médico provavelmente também vai encaminhar um psicólogo para acompanhar a paciente  

A compreensão do parceiro também é fundamental durante o tratamento, já que a falta de libido é uma das consequências provocadas pela dor extrema gerada durante o sexo.

3. Dores agudas na hora de urinar e evacuar

Como a endometriose se expande para as regiões próximas do útero, em alguns casos a bexiga e o reto são atingidos.

O endométrio inflama as células desses órgãos que passam a doer na hora de urinar e evacuar. Ao invés de um ardência, o incômodo se assemelha a fisgadas agudas que não passam com a ajuda de analgésico

Esse é um dos estágios mais preocupantes da endometriose, porque significa que a paciente está começando a ter outras partes do corpo adoecidas pela doença.

Comunique o seu médico e observe se existe sangue nessas secreções. É importante não se auto consultar com remédio, pomadas, ou métodos caseiros de alívio da dor.

4. Inchaço abdominal 

Quando a endometriose já se expandiu por toda parte inferior do abdômen é possível perceber um volume na barriga. 

A mulher que está nesse estágio da doença, não necessariamente ganhou peso. O inchaço é diferente do acúmulo de gordura. Geralmente a barriga fica dura, e desigual (um lado maior que o outro)

Em alguns casos, a região fica dolorida. Quando esse sintoma visual acontecer consulte um médico. O ginecologista provavelmente vai pedir um exame de imagem para saber quais órgãos, além do útero, estão inflamados pela endometriose.

5. Aumento e irregularidade no fluxo menstrual

Como a endometriose provoca a expansão do endométrio para regiões fora do útero, o tecido fica maior. Então, na hora da paciente efetivamente menstruar, o fluxo será mais intenso e longo, comparado a uma mulher sem a doença.

A descamação também acontece com  irregularidade. Ou seja, a mulher acaba sangrando não somente nos dias em que deve menstruar. 

Esse fluxo inesperável dura menos dias, mas pode ser intenso para um sangramento de escape.

É importante que a paciente monitore a proporção do seu fluxo, os dias e quantas vezes sangrou no mês. 

Caso o mapeamento denuncie uma perda de sangue exagerada, ela deve procurar com urgência um médico. O sangramento em excesso pode denunciar um caso de hemorragia e a mulher desenvolver anemia.

6. Dificuldade para engravidar 

Esse talvez seja o sintoma mais temido pelas portadoras de endometriose. A dificuldade de engravidar denúncia a possível existência da doença no útero da paciente.

Os ovários e as trompas, responsáveis por permitirem a fecundação do espermatozoide, sofrem deformidades devido a descamação anormal e agressiva provocada pela endometriose.

Dessa maneira, a fecundação corre o risco de não acontecer. Algumas mulheres descobrem que têm endometriose, somente quando buscam tratamento para engravidar.

Qual é o prejuízo do diagnóstico tardio?

O problema na demora do reconhecimento da doença é que, quanto mais tardio o tratamento, mais difícil é retardar o avanço da endometriose e seus efeitos colaterais radicais como a infertilidade.

Por isso, caso a cólica seja muito intensa e os sintomas secundários, também é necessário que a mulher realize com urgência uma consulta com seu ginecologista de preferência. Dessa maneira, a paciente vai descobrir como aliviar as dores e entender o que provoca os incômodos.  

A demora no diagnóstico e do cuidado da doença são muito perigosos para as futuras mamães, já que a demora na descoberta da endometriose pode provocar a esterilidade da mulher.

É importante que, independente da suspeita da doença, consultas médicas sejam frequentes para que o reconhecimento da endometriose aconteça cedo. 

A paciente deve compartilhar todo o desconforto que esteja sentindo. Os sintomas são essenciais para o mapeamento mais seguro dos diagnósticos.

Gostou do artigo? Compartilhe com seus amigos e familiares nas redes sociais para que todos fiquem atentos aos sintomas da endometriose!

Anterior

O que é endometriose? Saiba mais sobre esse distúrbio no útero

Câncer de mama: causas, sintomas e tratamento

Próximo

Deixe um comentário