A semiologia médica, também conhecida como propedêutica, é a disciplina ligada ao estudo de sinais e sintomas de doenças humanas e animais. Ou seja, é por meio dela que o profissional consegue ter mais elementos e informações — seja por meio da anamnese ou de exames clínicos — para realizar um diagnóstico seguro.

Aprender corretamente o processo de identificação e avaliação é fundamental para a segurança do paciente e do profissional. Como ela é uma disciplina usada no cotidiano, deve ser trabalhada da melhor maneira possível.

Na sequência, veja qual é a forma ideal de aprender semiologia médica e descubra quais pontos merecem atenção.

Os livros e as atividades da área

Para tratar da teoria o recomendado é recorrer aos livros mais renomados, pois são verdadeiras enciclopédias e ajudam a montar um roteiro para que nenhum ponto de avaliação seja ignorado.

A obra “Semiologia Médica”, de Celmo Celeno Porto, é considerada a mais importante da área. Outros exemplares teóricos são “Bates Propedêutica Médica”, de Lynn S. Bickley, e “Semiologia Médica: as Bases do Diagnóstico Clínico”, de José Mário Lopez.

Em relação à prática, é fundamental treinar algumas habilidades como, por exemplo, realizar exames clínicos, que podem ser feitos em colegas ou familiares. A intenção é encontrar sinais que nem sempre são relatados durante o atendimento ao paciente.

[rock-convert-pdf id=”13026″]

Há, ainda, a preocupação com o manejo e a relação terapêutica. É preciso fazer a anamnese, compreender o contexto da pessoa e somar a isso a atuação física. Assim, é possível ter um entendimento completo do quadro, o que ajuda a consolidar os conceitos teóricos.

A abordagem de estudos da semiologia médica

Essa disciplina é, ao mesmo tempo, uma das mais importantes e uma das maiores da área de saúde. De sintomas comuns a raros, é preciso saber fazer uma análise completa para dar indicações precisas ao paciente. Portanto, os estudos são robustos e exigem um entendimento integrado.

Em primeiro lugar é preciso ter muita disciplina. O aprendizado é constante e tem que ser reforçado para gerar bons resultados. Uma das alternativas é fazer um planejamento do conteúdo a ser estudado, o que aumenta o foco nos pontos relevantes.

Com o objetivo de equilibrar a abordagem, também é interessante elaborar um cronograma. Isso permite criar uma sequência lógica no aprendizado, além de distribuir melhor as necessidades.

A importância dos materiais complementares

Como dito, a semiologia médica não é um assunto fechado ou que não oferece a possibilidade de se desenvolver. Mesmo depois de absorver um atlas dessa questão, ainda é preciso trabalhar alguns conceitos e atualizar outros.

Por isso, é altamente recomendado recorrer a materiais complementares. Os vídeos deixam o conhecimento mais claro e oferecem excelente didática para reforçar certos entendimentos.

Já as dicas de professores e de profissionais da área envolvem a experiência de atuação. Recorrer a tais fontes de conhecimento é um jeito de reforçar o processo de aprendizagem. Ao seguir essas orientações o estudo de semiologia médica acontecerá de uma forma otimizada, garantindo mais segurança e melhor atendimento.

Se quiser ficar sempre por dentro das novidades na área de saúde, acompanhe a Maconequi no Facebook, Instagram e Twitter.