Pneumonia em idosos: sintomas, agravantes e cuidados
>>>Pneumonia em idosos: sintomas, agravantes e cuidados

Pneumonia em idosos: sintomas, agravantes e cuidados

Por |2019-09-20T14:15:58+00:0020/09/2019|Cuidados com a saúde, Terceira Idade|0 comentários

A pneumonia se caracteriza por uma infecção pulmonar, que pode ser de origem viral, bacteriana ou fúngica. Motivo de grande preocupação em pais de recém-nascidos, essa doença também deve receber atenção de quem tem pessoas mais velhas em casa, pois a pneumonia em idosos é comum e perigosa.

Quer saber mais? Neste texto, vamos explicar por que o grupo da terceira idade é mais suscetível a esse problema. Além disso, veremos os principais sintomas de pneumonia em idosos e seus agravantes, o seu tratamento e as principais iniciativas para prevenir a pneumonia. Acompanhe!

Por que os idosos são mais suscetíveis à pneumonia?

Como a pneumonia é uma doença causada por agentes infecciosos (vírus, bactérias ou fungos), pessoas com imunidade fragilizada são mais suscetíveis a contraí-la. Estão nesse grupo de risco as crianças pequenas — até por volta dos 5 anos, pois ainda estão constituindo suas defesas naturais — e os idosos.

Saiba mais: Conheça as doenças mais comuns em idosos

Nesse último caso, o que acontece é que, com o passar da idade, o sistema imunológico passa a ter dificuldade em identificar o que são agentes estranhos. Além disso, como explica o artigo do Dr. Peter Delves, da University College London, o organismo de pessoas mais velhas dispõe de menos glóbulos brancos para responder aos antígenos novos.

Ainda vale dizer que os idosos estão sujeitos a ter um tipo específico de pneumonia: a aspirativa. Nesse caso, o processo infeccioso nos pulmões decorre da deglutição inadequada, com restos de alimentos indo parar no local errado.

Quais são os principais sintomas da doença?

Inicialmente, a pneumonia em idosos pode lembrar uma gripe comum, mas seus sintomas tendem a se tornar mais incômodos e acompanhar febre alta. São sinais comuns:

Agravantes

Em idosos, a pneumonia é considerada uma doença grave, pois sua infecção pode se espalhar sem o devido tratamento. Com isso, as bactérias entram na corrente sanguínea, podendo levar a um quadro de insuficiência orgânica — quando muitos órgãos são comprometidos.

Além disso, a pneumonia dificulta a função respiratória, o que impede a oxigenação adequada do organismo. Outros problemas possíveis são o acúmulo de líquido nos pulmões e o abscesso pulmonar (formação de pus na cavidade dos pulmões). Em casos mais graves, a pneumonia é potencialmente fatal.

Como prevenir a pneumonia em idosos?

Abaixo, veja algumas dicas simples que podem ajudar grandemente a prevenção dessa doença:

  • evitar mudanças bruscas de temperatura — o frio não causa a pneumonia em idosos, mas pode exigir mais energia do organismo para manter o corpo aquecido, comprometendo assim a sua imunidade;
  • não frequentar lugares tumultuados — os agentes infecciosos são mais facilmente propagados em multidões;
  • lavar as mãos com frequência — isso diminui as chances de levar bactérias, vírus e fungos presentes nas mãos até as portas de entrada do organismo, como olhos e boca;
  • manter a vacinação em dia — a vacina antipneumocócica protege contra a versão bacteriana da doença e é direcionada tanto para crianças como adultos com mais de 60 anos, pelo calendário nacional do SUS. Além disso, a imunização é possível pela rede particular;
  • não descuidar de gripes — o quadro de pneumonia viral pode decorrer de uma gripe com tratamento negligenciado.

Como tratar a pneumonia?

Em geral, o tratamento exige o uso de antibióticos para combater o quadro infeccioso. Quando a doença ocorre em idosos, não é raro que a internação seja recomendada. Desse modo, a equipe médica consegue acompanhar de perto a reação aos medicamentos e a evolução do paciente, evitando agravamentos.

Como vimos, a pneumonia em idosos é um problema sério, portanto, todo o cuidado é pouco. Observe nossas recomendações para evitar o problema e preste atenção ao aparecimento dos sintomas. Assim, o tratamento pode ser feito precocemente.

E agora, se gostou desta leitura, assine a nossa newsletter para receber outras dicas sobre bem-estar e cuidados com a saúde diretamente no seu e-mail!

Deixe seu comentário