Você já sentiu dores intensas no seu punho, antebraço, joelho ou ombros? Normalmente, esse tipo de incômodo é causado por uma inflamação nos tendões, sendo bastante comum entre pessoas que fazem exercícios intensos ou repetitivos. Muita gente, no entanto, ainda não entende o que é tendinite, bem como as suas causas e consequências na qualidade de vida de um indivíduo.

Esse problema pode atingir diversas áreas do corpo humano e se manifesta em qualquer idade. Por isso, é muito importante conhecê-lo a fundo, uma vez que identificá-lo precocemente pode trazer excelentes resultados para o paciente.

Pensando nisso, elaboramos este post com o objetivo de explicar tudo sobre essa complicação: por que ela acontece, quais são os seus sintomas e as melhores opções de tratamento da atualidade. Acompanhe a leitura e cuide da sua saúde!

O que é tendinite

É provável que você já tenha ouvido falar na tendinite por aí. Mas, afinal, você sabe como esse problema surge? Para entender isso melhor, vamos começar entender onde essa inflamação ocorre.

Caracterizados como um conjunto de fibras resistentes e elásticas, os tendões servem para unir os ossos aos músculos. Assim, são essenciais na sustentação e locomoção em qualquer movimento realizado pelo indivíduo que envolva as articulações. Seu bom funcionamento oferece equilíbrio estático ou dinâmico ao corpo.

A tendinite, então, ocorre quando há uma inflamação nessas fibras, impedindo que os tendões exerçam sua função com desenvoltura. Essa condição pode afetar pessoas de qualquer idade e costuma se manifestar com frequência nos tendões dos ombros, cotovelos, mãos, punhos, pés e joelhos.

Suas principais causas e fatores de risco

Podemos dizer que existem variadas razões para o surgimento da tendinite. A comunidade médica tende a dividir as causas do problema em duas classificações: as mecânicas e as químicas.

As causas mecânicas são as mais conhecidas e estão relacionadas à tendinite provocada por grande esforço físico. Quando uma pessoa carrega mais peso que o seu músculo pode aguentar, isso provoca um grande estresse nos tecidos fibrosos do tendão. Exercícios repetitivos, como mexer muito tempo no computador ou no celular, tem efeito semelhante e também podem causar, além de lesões musculares, a temida tendinite.

As causas químicas, embora não sejam muito difundidas, também têm forte relação com o aparecimento da tendinite. Elas são provocadas por alimentação ou medicação incorretas, acarretando acúmulo de substâncias tóxicas nocivas para os tendões.

Existem ainda alguns fatores de risco associados ao aparecimento do problema, e a falta de alongamento muscular antes dos exercícios é o principal deles. Outros são a postura inadequada, o estresse e doenças autoimunes que degeneram os tecidos do tendão.

Os sintomas e os possíveis riscos à saúde

Agora que você já sabe o que é tendinite, vale a pena entender melhor os sintomas característicos do problema. E, a princípio, esses incômodos são bem característicos e fáceis de diagnosticar.

A inflamação dos tendões provoca dores agudas e intensas, além de vermelhidão e inchaço, que podem ser sentidas durante a atividade ou mesmo quando o músculo está em repouso. Assim, caminhar, correr e pular são ações que acabam sendo comprometidas, podendo atrapalhar inclusive a rotina de trabalho. A região afetada fica muito fatigada, sensível a toques e à locomoção de pontos adjacentes.

Se a dor estiver intensa e a tendinite não for cuidada rapidamente, ela pode evoluir para quadros ainda piores. A inflamação persistente impede a recuperação do músculo, fazendo com que ele atrofie, principalmente se o tecido não for mais estimulado por conta da dor.

E não acaba por aí! A tendinite ainda é uma das principais responsáveis pela chamada tendinose. Nesse quadro, há a ruptura do tendão, provocada pela deposição de cristais de cálcio em suas fibras. Quando atinge esse estágio, o problema é reversível apenas com procedimentos cirúrgicos.

O diagnóstico da tendinite

Após sentir os sintomas da complicação, o paciente precisará se consultar com um médico capacitado no assunto: o ortopedista. Durante a consulta, é possível que ele solicite alguns exames, além de avaliar o estilo de vida e histórico do indivíduo.

Em situações em que há dores agudas, o ortopedista faz um procedimento de toque na região afetada, com a intenção de identificar o foco do problema e analisar os níveis de sensibilidade presentes no tendão.

Se ficar em dúvida em relação ao diagnóstico, ele deverá solicitar a realização de um exame de imagem, sendo a ressonância magnética ou ultrassonografia os caminhos mais comuns. O raio-X é outro procedimento que costuma ser requerido nesses casos, sendo extremamente valioso para identificar a presença de acúmulo de cálcio ao redor dos tendões — fato este que facilita a conclusão do quadro.

Enquanto estiver no consultório, não se esqueça de contar ao especialista todos os seus incômodos e sintomas com muita transparência e objetividade. Entre as perguntas mais realizadas pelos médicos nesse tipo de situação estão:

  • Qual é o local da dor?
  • Há quanto tempo você sente esses incômodos?
  • Você tem histórico de doenças?
  • Qual é a sua ocupação?
  • Você pratica atividades físicas?

Os tratamentos mais utilizados

Uma vez diagnosticada, por meio de exames clínicos ou de imagem, a tendinite poderá ser tratada imediatamente. E, vale dizer, essa assistência médica é imprescindível para que a recuperação seja correta e a mais eficiente possível.

O paciente deverá colocar compressas de gelo ou bolsas térmicas regularmente ao longo do dia, para diminuir o inchaço. Por se tratar de uma inflamação, o uso de anti-inflamatórios e analgésicos também podem prescritos pelo médico, aliviando a vermelhidão e a dor intensa.

Além disso, a pessoa com tendinite deverá repousar bastante o local afetado, o que exigirá, em alguns casos, o uso de talas, órteses ou outros produtos ortopédicos. Porém, como o músculo não pode ficar muito tempo parado, a fisioterapia e a acupuntura se apresentam grandes aliadas nessas horas. Tais atividades auxiliam a realização de movimentos e permitem a reoxigenação dos tecidos.

Em quadros clínicos muito graves, ainda pode ser necessária a aplicação de corticoides ou, então, um procedimento cirúrgico. Por conta disso, todo cuidado é pouco!

Como evitar que a tendinite volte

Não se engane: além de seguir o tratamento indicado pelo médico, é fundamental que o paciente tome alguns cuidados extras para evitar que a tendinite volte e cause novos incômodos.

A primeira dica nesse sentido é investir no condicionamento físico — realizado com exercícios liberados pelo profissional da saúde. Musculação, natação, pilates, yoga e aulas de danças costumam ser boas opções.

Outro detalhe importante é seguir uma alimentação balanceada e composta por alimentos com ação anti-inflamatória, que são excelentes para prevenir o agravamento ou o retorno da condição. Entre os ingredientes que não podem ficar de fora do cardápio, podemos destacar:

  • frutas vermelhas;
  • folhas verdes;
  • salsão;
  • linhaça;
  • chia;
  • gengibre;
  • azeite extravirgem;
  • nozes;
  • amêndoas.

Repousar também é fundamental — ainda mais após a prática de exercícios de repetição. Caso você trabalhe parte do tempo no computador, realizando serviços manuais ou atividades intensas, procure cuidar do seu músculo e nunca exigir mais do que ele pode oferecer. Por fim, como truque, muitos médicos recomendam a realização de alongamentos após o término de cada atividade, bem como a inclusão de pausas ao longo do dia. Com certeza, o seu corpo agradecerá!

Embora bastante comum, a tendinite é um problema fácil de ser resolvido quando identificado nos seus estágios iniciais. E, se os devidos cuidados forem tomados, ela dificilmente voltará. Então, se está com dúvidas ou apresenta alguns dos sintomas vistos aqui, não perca tempo e agende já uma consulta com o seu médico!

Enfim, gostou das nossas dicas sobre o que é tendinite e como combater esse problema? Esperamos que sim! Agora, para se aprofundar ainda mais no universo da saúde, que tal conferir também as causas das dores no calcanhar?