O que é disfagia? Entenda os sintomas e por que isso acontece

| |

A chamada deglutição – o ato de engolir o alimento – é uma função natural do corpo humano. Apesar disso, algumas vezes podemos sentir um desconforto ao engolir. O que muitos não sabem é o que é disfagia.

Sabe aquele incômodo que acontece quando engolimos um alimento muito rápido? Pois é, essa sensação de que a comida está entalada na garganta se chama disfagia. Ela pode acontecer tanto com alimentos sólidos quanto líquidos e até mesmo com saliva.

Mas você sabe de fato o que é esse problema?

O que é a disfagia?

A disfagia nada mais é do que a dificuldade de engolir algum alimento, líquido ou sólido, e a saliva. Apesar disso, ela não é considerada uma doença. Esse problema é definido como sintoma ou alguma alteração causada por uma condição clínica, como a garganta inflamada.

Assim como é importante dizer que apesar de atingir todas as faixas etárias é mais comum que essa condição aconteça com pessoas acima de 50 anos. 

Além disso, existem dois tipos de disfagia. Elas podem se diferenciar quanto a localização e quanto às consequências fisiopatológicas (alterações no organismo durante as doenças). Entenda quais são.

Disfagia orofaríngea 

As disfagias orais e faríngeas (DOF) acontecem quando existem alterações na cavidade bucal (parte inicial do sistema digestório) e na faringe. Esse tipo é caracterizado por causar dificuldade para engolir. Ele é mais comum em pessoas idosas.

Geralmente esse tipo de disfagia tem causas neuromusculares como: sequelas de acidente vascular cerebral (AVC), Doença de Parkinson, Mal de Alzheimer, uso de drogas, e etc.

Disfagia esofágica

Já a disfagia esofágica, ou de transporte, acontece após a deglutição. Ou seja, acontece quando o alimento já foi engolido. 

Ela é caracterizada pela dificuldade da passagem do alimento pelo esôfago. Esse tipo de disfagia muitas vezes leva a alimentação inadequada e emagrecimento.

As causas mais comuns desse problema são: doença de Chagas, espasmo esofágico, câncer de esôfago, esclerodermia, esofagite eosinofílica, entre outras.

Esses são os dois tipos de disfagia, mas você sabe quais são os sintomas causados por ela?

Sintomas da disfagia

O principal sintoma da disfagia é a dificuldade de engolir alimentos. Apesar disso, existem ainda sintomas secundários do problema. Conheça os principais:

  • dificuldades para mastigar ou manter o alimento dentro da boca;
  • demorar para engolir;
  • precisar engolir várias vezes o mesmo alimento, líquido ou saliva;
  • sentir dor ou incômodo ao engolir
  • ter a sensação de que o alimento está parado na garganta;
  • refluxo de alimento pelo nariz durante a alimentação;
  • mudança no tom de voz após engolir;
  • mudança da cor da pele durante ou após a alimentação, como palidez ou pele arroxeada;
  • tosse e engasgos durante as refeições ou ao engolir saliva;
  • falta de ar;
  • perda de peso;
  • pneumonias de repetição;
  • falta de apetite ou interesse em se alimentar.

Geralmente esses são os sintomas que mais atingem pessoas com disfagia. Ainda assim, também é importante dizer que o diagnóstico tardio pode gerar complicações, como:

  • nutricionais: o paciente não se alimentar adequadamente, o que gera desnutrição, desidratação e emagrecimento;
  • pulmonares: o paciente pode sofrer aspiração, o que pode gerar pneumonia, doenças pulmonares crônicas e inclusive levar ao falecimento;
  • psicossociais: o paciente deixa de frequentar ambientes ou eventos sociais. Isso gera sofrimento psicológico, constrangimento, isolamento e prejuízos em sua qualidade de vida e bem-estar.

Pensando nisso, quais seriam as causas para esse problema? 

Quais são as causas da disfagia?

As causas mais comuns incluem problemas com o sistema nervoso, músculos ou problemas mecânicos que envolvem a cabeça e pescoço. 

Além do que, a disfagia também pode fazer parte do envelhecimento natural do paciente. Apesar disso, esse problema pode ter causas mais específicas, como:

  • infecções (abscessos retrofaríngeos, tuberculose e candidíase);
  • tumores;
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC);
  • traumatismo cranioencefálico;
  • doenças degenerativas (Parkinson e Alzheimer);
  • doenças neuromusculares (esclerose lateral amiotrófica, miastenia, acalasia);
  • paralisia cerebral;
  • uso de medicamentos;
  • intubação orotraqueal prolongada ou traqueostomia.

Essas são as principais causas da disfagia. No entanto, se um paciente ingere produtos químicos, como produtos de limpeza, isso também pode causar danos à mucosa do esôfago. Nesse sentido, o resultado disso são os sintomas comuns desse tipo de problema.

Apesar disso, será que existe tratamento para a disfagia?

Tratamento para a disfagia

No caso da disfagia orofaríngea o tratamento é limitado. Isso acontece porque as causas, como distúrbios neuromusculares e neurológicos, em sua maioria não podem ser revertidas. Por esse motivo a maneira de mais comum de tratar é fazendo mudanças na dieta como:

  • substituir alimentos por comidas mais macias e fluidos espessos;
  • comer em posições que facilita a deglutição;
  • adotar técnicas terapêuticas que ajudam na deglutição (como exercícios de fortalecimento);
  • realizar a alimentação por sonda nasogástrica, em último caso.

Já na disfagia esofágica o tratamento adequado dependerá da causa. Por isso, existem alguns tipos de tratamento de acordo com a doença de origem. Conheça alguns deles: 

  • refluxo gastroesofágico: ingestão de remédios inibidores da produção de ácido;
  • esofagite eosinofílica: uso de corticóides; 
  • espasmos do esôfago: relaxantes musculares.

Além do uso de medicamentos, o tratamento também pode ser feito com procedimentos médicos. Como  tratamentos que promovem a dilatação do esôfago ou intervenções cirúrgicas, em casos de obstrução por tumores.

Hoje entendemos um pouco mais sobre a disfagia, seus sintomas e quais são as suas causas. Gostou desse conteúdo? Aqui no blog da Maconequi temos muitos artigos sobre saúde e bem estar. Acesse e confira!

Anterior

Doença renal crônica: o que é e quais são os tipos mais comuns

Quais cuidados devemos tomar com a saúde de pessoas com Síndrome de Down? 

Próximo

Deixe um comentário