Início>Cuidados com a saúde, Prevenção, Qualidade de Vida>O que é bexiga hiperativa e o que a difere da incontinência urinária

O que é bexiga hiperativa e o que a difere da incontinência urinária

Quando falamos sobre perda involuntária de urina, é fácil associar à incontinência urinária ou bexiga hiperativa. Muita gente ainda se confunde e acredita se tratar da mesma coisa, mas são transtornos diferentes.

Neste post, vamos distinguir uma coisa da outra e entender quais são as diferenças entre esses quadros, além de entender melhor o que é a bexiga hiperativa. Confira!

Afinal, o que é a bexiga hiperativa?

A síndrome da bexiga hiperativa tem como principal sintoma a urgência urinária, que é definida como o desejo súbito e compulsivo de urinar. Ela também está associada ao aumento da frequência urinária e noctúria (incontinência urinária noturna).

Considera-se um aumento considerável da frequência urinária um número superior a oito micções em um período de 24 horas, enquanto a noctúria é definida pelo aumento da necessidade de acordar a noite para urinar.

A bexiga hiperativa acontece devido a contração involuntária do músculo da bexiga durante o seu enchimento. A pessoa que tem essa síndrome não consegue ter o controle para deixar a bexiga relaxada, provocando desconforto e o desejo urgente de urinar.

Incontinência urinária x Bexiga hiperativa

A incontinência urinária pode ser classificada em incontinência de esforço e de urgência. A incontinência urinária de esforço é causada pelo enfraquecimento do assoalho pélvico, fazendo com que ocorra a perda de urina ao tossir, por exemplo.

Saiba mais: 7 coisas que você precisa saber sobre incontinência urinária

Já a incontinência urinária de urgência é caracterizada pela vontade repentina, intensa e frequente de urinar, fazendo com que o indivíduo não consiga controlar a saída da urina. Algumas pessoas, além da urgência, também sentem ardência e dor ao urinar.

Sendo assim, a incontinência urinária é melhor caracterizada como um sintoma. Enquanto isso, a bexiga hiperativa é vista como uma síndrome que engloba alguns sintomas, o principal deles é a urgência urinária, com ou sem a incontinência associada.

Quais são as principais causas da bexiga hiperativa?

As causas mais comuns são as doenças e lesões neurológicas como a esclerose múltipla, o derrame (AVC), doença de Alzheimer, Parkinson, traumatismo craniano e lesões na medula espinhal.

Outras possíveis causas são a insuficiência cardíaca, infecção urinária e cálculos vesicais. Especificamente nos homens, a síndrome pode ocorrer devido a um aumento da próstata, como acontece na hiperplasia prostática benigna.

A bexiga hiperativa também pode não ter causa definida e quando isso acontece ela recebe o nome de bexiga hiperativa idiopática. Por isso é importante procurar um médico ou clínico geral assim que notar algum dos sintomas que citamos anteriormente.

Quais são os fatores de risco?

Uma série de fatores faz com que a probabilidade de desenvolver a bexiga hiperativa seja maior. Leia atentamente:

  • pessoas brancas;
  • diabéticos insulinodependentes;
  • pessoas com ansiedade e depressão;
  • idosos acima de 75 anos;
  • pessoas com artrite;
  • aumento do IMC (índice de massa corpórea); e
  • pessoas que fazem terapia de reposição hormonal oral.

A síndrome da bexiga hiperativa tem tratamento?

Não só tem tratamento como tem cura, mas tudo vai depender da gravidade ou se ela está associada a outros tipos de incontinência. O tratamento médico pode ser feito por meio de medicamentos, fisioterapia e eletroestimulação.

Existem também algumas técnicas e tratamentos que o paciente pode fazer em casa para ajudar a evitar e diminuir os sintomas da bexiga hiperativa. Evitar o consumo de álcool, cafeína e cigarros é um começo, outras dicas envolvem:

  • perder peso para ajudar a diminuir a pressão do abdômen sobre a bexiga;
  • sempre que urinar, esvaziar a bexiga por completo;
  • fazer fisioterapia pélvica, que são exercícios que fortaleçam os músculos do assoalho pélvico;
  • tomar chás com ervas medicinais pois têm propriedades antiespasmódicas; e
  • criar o hábito de ir ao banheiro em intervalos regulares, antes de sentir vontade.

Agora que você sabe o que é a síndrome da bexiga hiperativa e quais são as diferenças entre ela e a incontinência urinária, que tal saber mais sobre a incontinência urinária em idosos? Não deixe de conferir!

Deixar Um Comentário