Início>Cuidados com a saúde, Prevenção, Qualidade de Vida>Como funciona a fisioterapia pediátrica?

Como funciona a fisioterapia pediátrica?

A fisioterapia pediátrica é uma especialidade da fisioterapia que trata de recém-nascidos e crianças até o período da puberdade (que geralmente acontece por volta dos 12 anos). Ela atua no tratamento de desordens multifatoriais, causadas por patologias congênitas ou adquiridas, nascimento prematuro ou alterações genéticas.

Esse tipo de fisioterapia se adequa às particularidades da infância, oferecendo nos tratamentos um ambiente lúdico e técnicas adequadas para a idade do paciente. O objetivo maior desse tipo de fisioterapia é desenvolver o potencial da criança e buscar sua independência como indivíduo.

Quem deve buscar ajuda da fisioterapia pediátrica?

Entre os principais problemas que necessitam do trabalho de um fisioterapeuta pediátrico, estão:

  • Paralisia cerebral: desenvolvimento anormal do cérebro que afeta o movimento do corpo e coordenação muscular;
  • Síndrome de Down: doença genética do cromossomo 21 na qual ocorre uma divisão celular anormal, causando atrasos no desenvolvimento e deficiências físicas;
  • Distrofia Muscular de Duchenne: um distúrbio de fraqueza muscular progressiva que surge na primeira infância;
  • Distrofia Muscular de Becker, que é o mesmo distúrbio citado acima, porém surgindo na adolescência;
  • Hidrocefalia, que é o acúmulo de líquido no cérebro que causa danos cerebrais;
  • Microcefalia: quando a cabeça do bebê é menor que o normal, geralmente causado por alguma anormalidade no cérebro;
  • Espinha bífida: quando os ossos da coluna não se formam completamente, resultando em uma abertura da coluna nas costas;
  • Atrasos no desenvolvimento neuropsicomotor: quando o bebê não começa a sentar, engatinhar, andar ou falar, numa fase pré-determinada, como outros bebês da mesma idade;
  • Doenças respiratórias: como asma, bronquite, pneumonia e fibrose cística;
  • Patologias ortopédicas, como torcicolo congênito, luxação congênita e paralisia obstétrica;
  • Fraturas: que pode acontecer devido ao esforço do trabalho de parto; e
  • Trauma Cranioencefálico (TCE): qualquer agressão que acarrete como resultado lesão anatômica ou comprometimento de couro cabeludo, crânio, meninges ou encéfalo.

Tipos de fisioterapia pediátrica

A fisioterapia pediátrica engloba várias áreas, como pudemos ver no tópico anterior. Por isso, dentro desse tipo de fisioterapia existem ramificações. As mais comuns são a neuropediátrica, a traumato-ortopédica e a ambulatorial. Vamos falar um pouco sobre elas.

Fisioterapia Neuropediátrica

Na neuropediatria (ou fisioterapia neurofuncional pediátrica), os profissionais são responsáveis pelos pacientes com doenças ou lesões neurológicas por meio de técnicas que envolvem psicomotricidade, estimulação precoce e desenvolvimento neuro motor e a melhora na amplitude de movimento articular, equilíbrio, coordenação motora, propriocepção e força.

Traumato-ortopedia

Na traumato-ortopedia, os profissionais usam recursos como termoterapia, fototerapia e TENS (estimulação elétrica nervosa transcutânea) para ajudar crianças que sofreram algum tipo de luxação, fratura, deslocamento ósseo e distensões musculares. Podendo usar também técnicas manuais e exercícios adequados de acordo com a idade do paciente.

Fisioterapia Pediátrica Ambulatorial

Já na fisioterapia pediátrica ambulatorial, o foco dos profissionais está nos pacientes neonatos e pediátricos com o objetivo de estimular o desenvolvimento neuromotor (como a fala, o caminhar, a respiração, a deglutição e o movimento geral do corpo) através de procedimentos e terapias.

A importância da família no tratamento

Como cada criança tem sua individualidade, o tratamento fisioterapêutico é baseado em uma avaliação minuciosa do pequeno paciente, para realizar um trabalho personalizado. O único fator que é essencial para a melhora de todas as crianças é a participação dos pais nesse processo.

O fisioterapeuta explica a importância desse processo e ensina os exercícios para que eles sejam feitos em casa também. Quando bem informados, os pais contribuem muito no tratamento, diminuindo até o tempo de recuperação da criança.

Quer saber mais sobre os vários tipos de fisioterapia ou saber como se tornar um profissional da pediatria? Confira nossos outros posts que falam sobre isso! Boa leitura!

Deixar Um Comentário