Como é feito o exame de fundo de olho?
>>>Como é feito o exame de fundo de olho?

Como é feito o exame de fundo de olho?

Por |2020-01-23T15:42:30+00:0026/01/2020|Cuidados com a saúde, Prevenção|0 comentários

O exame de fundo de olho (fundoscopia ou oftalmoscopia) é a melhor forma de analisar o estado dos nossos vasos sanguíneos pois ele é feito de forma não invasiva. Além da avaliação local, esse exame também permite avaliar outros aspectos da saúde da pessoa, como o desenvolvimento de doenças como a hipertensão e a diabetes.

O intuito da oftalmoscopia é examinar as artérias, veias e nervos da retina através dos meios transparentes do olho. Esses meios são o humor aquoso, o cristalino e o humor vítreo. Entenda melhor com a imagem abaixo:

O humor aquoso é um líquido incolor, transparente e de consistência aquosa, constituído por água e sais dissolvidos. Sua função é nutrir a córnea e o cristalino, além de regular a pressão interna do olho. O líquido se localiza nas câmaras oculares, uma cavidade situada entre a cavidade do olho, a córnea e o cristalino.

Podemos dizer que o cristalino é a lente dos olhos. Ele possui cerca de 8 a 10 mm de diâmetro e tem uma coloração amarelada e resistente em adultos. Já nas crianças, o cristalino é incolor e de consistência branda. O cristalino é localizado entre o humor aquoso (frente) e o humor vítreo (atrás).

Já o humor vítreo é um líquido gelatinoso formado por uma substância amorfa semilíquida, fibras e células, que permanece sob pressão fazendo assim com que o olho mantenha sua forma esférica. Ele está localizado entre o cristalino e a retina.

Como é feito a fundoscopia?

Um clínico geral treinado ou um oftalmologista pode realizar o exame de fundo de olho. Eles utilizam um aparelho chamado oftalmoscópio, que projeta um feixe de luz no interior do olho e, a partir da reflexão dessa luz na retina, é possível observar as estruturas do globo ocular. 

Em alguns casos, é utilizado um colírio para dilatar a pupila e ampliar a visão no momento do exame. Esse uso pode causar uma aversão momentânea à luz e fazer com que o paciente tenha que esperar alguns minutos antes de se expor novamente à claridade.

Fundoscopia Direta x Fundoscopia Indireta

Existem dois tipos de fundoscopia: o exame direto e o exame indireto. O exame direto é realizado por um clínico geral por meio de um aparelho simples e portátil que obtém uma imagem quinze vezes aumentada, mas com um campo de visão mais estreito. Já o exame indireto é realizado por um oftalmologista por meio de equipamentos mais complexos que geram uma imagem com menos ampliação, mas uma visualização mais ampla da retina.

Dilatar a pupila várias vezes seguidas em exames de acompanhamento faz mal?

O médico faz uma avaliação antes de usar um colírio próprio para esse exame para saber se o paciente pode ou não ter a pupila dilatada. Tudo estando em ordem, não há problema em dilatar a pupila várias vezes. Mas por que isso é necessário?

A pupila (aquela bolinha preta do olho) é um buraco no meio da íris (disco colorido). Quando estamos em um ambiente escuro, a pupila se abre para entrar mais luz e conseguir enxergar melhor. Quando estamos em um ambiente claro ocorre o contrário: a pupila se fecha para que não entre muita luz e não atrapalhe a visão.

Como já explicamos lá em cima, no exame de fundo de olho, o médico precisa colocar muita luz direcionada para o olho, logo, a reação normal da pupila é fechar. Mas quando ela fecha, prejudica a visão do médico que está fazendo o exame, necessitando do uso do colírio para manter a pupila aberta.

O médico espera, em média, 20 minutos para o colírio fazer efeito e realizar a fundoscopia. Depois disso, o paciente pode permanecer com a pupila dilatada por 12 a 24 horas. Durante esse tempo, ele pode ter dificuldade para enxergar de perto e sensibilidade à luz.

Quem pode fazer o exame de fundo de olho?

A oftalmoscopia pode ser feita em qualquer pessoa de qualquer idade. Esse exame pode detectar doenças locais ou sistêmicas em bebês, quando prematuros ou não, cujas mães tiveram infecções durante a gestação, podendo revelar também a presença de tumores. 

Nos adultos, detectando de forma precoce doenças como hipertensão, diabetes e patologias neurológicas; e nos idosos, detectando o surgimento de drusas, que podem levar à cegueira e degenerações maculares próprias da idade.  

Deixe seu comentário