Especialidades médicas: II CAEM capacita e incentiva estudantes

| | ,

Como se não bastasse uma rotina acadêmica altamente exigente, recheada de aulas práticas, teóricas, atividades extracurriculares e avaliações (por 4 ou 10 anos seguidos), os estudantes do ensino superior também precisam lidar com a pressão social de se tornarem profissionais cada vez mais completos, atuais e singulares.

É essa atmosfera de competitividade, consigo mesmo e com os colegas de classe, somada às dificuldades, como a pandemia da Covid-19 (na qual em 2 meses acumulou mais de 265 mil desistências da graduação), que desestimula os universitários a persistirem nos sonhos que os fizeram chegar até ali.

Na intenção de inspirar e motivar feitos grandiosos, reconectando o estudante com a sua missão como profissional de saúde, que a Universidade Anhembi Morumbi preparou a segunda edição do Congresso Acadêmico de Especialidades Médicas (CAEM).

Cada encontro, elaborado pelos gestores do CAEM, pretende desenvolver e capacitar os alunos dentro da necessidade de cada especialidade, algumas delas são: medicina da família, UTI, urologia, oncologia, emergência, clínicas, cirurgia, entre outras.

O evento vai acontecer em novembro de 2021, entre os dias 18 e 20. As inscrições sem submissão de trabalho são gratuitas, enquanto as com submissão custam apenas 30 reais. Para conferir as categorias e realizar a inscrição no congresso é só acessar o site oficial do CAEM.

Participação do médico José Osmar Medina de Abreu Pestana

Já que o objetivo é incentivar a construção de trajetórias inspiradoras, o CAEM garantiu a participação do doutor José Osmar Medina de Abreu Pestana. O médico é referência em transplante na américa latina. 

Além de também ser conhecido por desenvolver trabalho voluntário em diversas comunidades, como a assistência à saúde de indígenas do povo Xingu, seguido por mais de 30 anos de atividade clínica na cidade de Ipaussu. Medina também já coordenou o desenvolvimento de programas de transplante em alguns países da África Subsaariana.  

Queremos trazer para os alunos exemplos que gerem motivação, a partir de grandes feitos dentro da medicina, e o médico José Osmar Medina é um exemplo por excelência. Esperamos que com a história dele, os alunos se sintam inspirados a acreditar naquilo que os move e, para no futuro, serem médicos referências como o doutor Medina agora é”, compartilhou Mariana Aparecida de Toledo Costa (28), presidente do CAEM.   

CAEM 2020, contou com a participação do ex-Ministro da Saúde

No ano passado, uma das personalidades mais populares do país, era o nosso Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta. O médico ortopedista foi um dos maiores defensores do isolamento social, durante a pandemia da Covid-19.

A primeira edição do Congresso Acadêmico de Especialidades Médicas trouxe Mandetta para falar sobre a carreira médica em gestão pública. Seguir profissionalmente no ramo da gestão em saúde pública é uma das escolhas menos populares entre os estudantes de medicina.

Por que é importante a experiência de desenvolver um congresso acadêmico?

O compromisso de desenvolver um evento acadêmico nunca é fácil. No entanto, as alunas Mariana Aparecida de Toledo Costa (28), presidente do II Congresso Acadêmico de Especialidades Médicas, e Gabriela Ferraz de Araújo (22), vice-Presidente, garantem que o desafio vale a pena.

Ambas as universitárias acreditam que a responsabilidade de realizar o CAEM permitiu com que elas se desenvolvessem como estudantes e profissionais. Habilidades de gestão, trabalho em equipe, comunicação, organização, proatividade e liderança são alguns dos ganhos conquistados por Marina e Gabriela.

A trajetória para chegar na finalização do Congresso sempre é difícil, mas também muito gratificante. Nada explica a sensação de conseguir ver acontecendo um evento acadêmico que você planejou todo o processo. Desde os trabalhos submetidos até a negociação com os convidados ilustres como o médico José Medina e o ex-ministro Mandetta”, comenta Mariana Toledo. 

Qual o momento certo de se filiar aos grupos responsáveis pelas atividades acadêmicas?

Para quem tem o interesse de participar da gestão de qualquer atividade acadêmica, mas se sente inseguro para começar a se inserir, a aluna Gabriela Ferraz avisa que não existe período, tempo de experiência, nem perfil de pessoa certo para participar da execução de algum evento universitário.

Meu conselho para os alunos que acreditam que não vão dar conta, porque estão nos primeiros semestres, e não sabem como conciliar as novas demandas, mas querem ter a vivência de desenvolver um congresso é: esteja por perto acompanhando todo o processo, e tenha responsabilidade para ajudar mesmo que de maneira voluntária. No futuro você vai lembrar de situações pontuais que você observou e elas vão te ajudar a resolver ou tomar decisões na sua vez como gestor”, aconselha a vice-presidente.

Para realizar sua inscrição no evento, basta entrar no site de inscrições do II CAEM. Nos vemos lá!

Anterior

Exercícios com bola de Pilates para gestantes: porque e como fazer

Tendinite no joelho: quem tem pode fazer caminhada?

Próximo

Deixe um comentário