Diabetes: uma doença silenciosa | Tudo o que você precisa saber!

| | , ,

A diabetes é uma doença silenciosa que pode trazer muitas complicações. E para evitar surpresas, nada melhor do que se informar sobre ela, certo?

Confira este nosso conteúdo especial sobre diabetes com tudo que você precisa saber. Boa leitura! 

O que é a diabetes?

A diabetes é uma doença metabólica crônica caracterizada pelo aumento dos níveis de açúcar/glicose no sangue

Isso acontece porque a insulina, que é o hormônio que transporta a glicose do sangue para o interior das células, não é produzida ou não funciona corretamente, fazendo com que o açúcar se vá acumulando no sangue ao invés de ser gasto nas células do corpo.

Assim, a pessoa que tem diabetes não consegue utilizar a glicose como deveria e entra em um quadro de hiperglicemia, que é quando o nível de açúcar no sangue está maior do que o ideal.

Quais são os tipos de diabetes? 

Diabetes Mellitus Tipo 1

Na diabetes tipo 1, o pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina, alterando o nível de glicose no sangue. Por isso, os portadores dessa doença precisam de injeções diárias de insulina, correndo risco de morte caso as doses não sejam administradas diariamente.

Embora a diabetes tipo 1 possa ocorrer em qualquer idade, ela é mais comum em crianças, adolescentes e jovens adultos.

Ainda não se sabe exatamente o que causa a diabetes tipo 1, mas ela pode ser evitada seguindo uma rotina saudável. Para quem tem a doença, dependendo da gravidade, o controle pode ser feito por meio de atividades físicas e planejamento alimentar, além do uso de insulina e medicamentos.

E atenção: quem tem familiares próximos com diabetes, deve fazer exames frequentes para acompanhar o nível de glicose no sangue.

Diabetes Mellitus Tipo 2

A diabetes tipo 2 afeta a forma como o corpo processa o açúcar do sangue e atinge 90% dos casos da doença. Nesses casos a insulina até está presente no organismo, mas sua ação é dificultada devido a maus hábitos alimentares, o que chamamos de resistência insulínica.

Esse tipo de diabetes ocorre geralmente em pessoas obesas com mais de 40 anos, mas também pode acontecer em jovens, devido aos maus hábitos alimentares, sedentarismo e estresse.

Outras causas da diabetes tipo 2 podem envolver triglicerídeos elevados e hipertensão. 

Em muitos casos, ela pode aparecer de forma pouco sintomática, dificultando o diagnóstico e o tratamento e favorecendo complicações no coração e no cérebro.

Diabetes gestacional

A diabetes gestacional se desenvolve devido aos hormônios produzidos durante a gravidez que bloqueiam parcialmente a ação da insulina. Dessa forma, acaba acontecendo um aumento dos níveis de açúcar no sangue da gestante.  

São fatores de risco para o aparecimento da diabetes gestacional:

  • Excesso de peso de peso; 
  • Ganho de peso excessivo durante a gestação;
  • Ocorrência de diabetes em gestações anteriores;
  • Histórico de diabetes tipo 2 em parentes de 1º grau;
  • Idade materna mais avançada;
  • Síndrome de ovários policísticos; 
  • Hipertensão;
  • Gestação múltipla;
  • Histórico de bebês com mais de 4kg, diabetes gestacional e diabetes.

Como esse tipo de diabetes pode ocorrer em qualquer mulher e nem sempre surgem sintomas, recomenda-se que as gestantes façam exames, a partir da 24ª semana de gestação, para verificar os níveis de glicose. É preciso também fazer acompanhamento médico após o nascimento da criança.

Outros tipos de diabetes

Existem ainda outros tipos de diabetes que podem surgir por diversos motivos, tais como:  

  • Diabetes tipo LADA (Latente Autoimune do Adulto): uma forma autoimune do diabetes que aparece, normalmente, em adultos acima de 35 anos;
  • Diabetes tipo MODY (Maturity Onset Diabetes of the Young): tipo de diabetes mais suave que o tipo 1 e mais parecido com o tipo 2, aparece em pessoas mais jovens, geralmente diagnosticada aos 25 anos;
  • Diabetes causada por doenças do pâncreas: tumores, infecções ou fibrose pode desenvolver a doença também.
  • Diabetes medicamentosa: alguns medicamentos, como os corticóides, podem contribuir para um quadro de diabetes.

Quais são os sintomas da diabetes?

Os principais sintomas da diabetes são:

1. Problemas de visão

Visão embaçada, perda de nitidez, dores nos olhos, perda da visão noturna, visão dupla ou qualquer outra mudança repentina na visão podem ser sintomas de diabetes.

Isso acontece porque tanto a diabetes, com suas altas taxas de açúcar na corrente sanguínea, é fator de risco para que a retinopatia, o glaucoma e a catarata se desenvolvam com mais facilidade.

Por isso, ao apresentar qualquer incômodo na visão, procure seu oftalmologista e confira sua glicemia. 

2. Alterações no funcionamento dos rins

Se você apresenta os sintomas abaixo, pode ser sinal de que está com diabetes: 

  • Aumento da quantidade de urina;
  • Urina mais escura;
  • Inchaço dos membros inferiores (tornozelos, pés e pernas) e das mãos;
  • Falta de ar ao realizar atividades corriqueiras;
  • Cansaço;
  • Náusea; 
  • Vômitos.

Isso ocorre porque pacientes diabéticos estão mais propensos a serem hipertensos, e esse aumento da pressão arterial pode comprometer seriamente o funcionamento dos rins,  podendo mesmo chegar a falência total do órgão. 

3. Alterações no sistema nervoso

Com a glicemia elevada, os nervos dos portadores de diabetes são afetados. Por isso, são sintomas comuns de diabetes:

  • Falta de sensibilidade, ou formigamento, nas mãos e pés;
  • Suor excessivo;
  • Sensação de queimadura em alguma região do corpo;
  • Dores fortes, espasmódicas, em certas regiões; 
  • Falta de estímulo nos órgãos sexuais.

Os danos nos nervos costumam ser observados primeiro nas extremidades do corpo, como pés e mãos. Assim, os diabéticos devem ter os pés cuidadosamente examinados uma vez por ano para que se verifique a existência de problemas de circulação e nos nervos.

4. Problemas digestivos

Falta de apetite, náuseas, constipação ou até mesmo diarreia podem também ser sintomas do diabetes. 

Durante o tratamento do diabetes tipo 2, esses sintomas podem ainda persistir por conta dos efeitos colaterais da medicação, porém, com o tempo, a tendência é que eles desapareçam. 

5. Alterações na pele

A diabetes causa danos nos vasos sanguíneos e assim, a pele também pode ser prejudicada e nesses casos, sendo os sintomas mais comuns a pele  mais seca que o normal, infecções de fungos e bactérias frequentes e demora na cicatrização de machucados e queimaduras.

O que é a pré-diabetes?

pré-diabetes funciona como um sistema de alarme que dispara quando há um risco muito grande de uma pessoa desenvolver a diabetes. Nessa condição, os níveis de açúcar no sangue estão elevados, mas não o suficiente para um diagnóstico de diabetes tipo 1 ou 2.

Essa é a única etapa em que a doença ainda pode ser revertida ou retardada, e como ela não costuma apresentar sintomas, é preciso estar atento e com os exames em dia.

Quais são os fatores de risco para diabetes?

É bom saber que a diabetes pode não apresentar sintomas tão claros e ir ganhando terreno de forma silenciosa. Por isso, se você possui um ou mais fatores de riscos é imprescindível visitar regularmente seu médico e realizar exames de rotina.  

E, entre os fatores de riscos para o diabetes, podemos mencionar: 

  • Idade acima dos 45 anos;
  • Ter familiares com diabetes;
  • Estar acima do peso e possuir acúmulo de gordura no abdômen;
  • Ter vida sedentária; 
  • Apresentar hipertensão arterial; 
  • Baixos níveis de colesterol HDL e/ou triglicérides elevados; 
  • Se mulher, ter tido diabetes durante a gestação ou ter sido diagnosticada com Síndrome do Ovário Policístico (SOP).

Como é feito o diagnóstico da diabetes? 

O diagnóstico da diabetes é feito por meio de um conjunto de exames de sangue que permitem avaliar a quantidade de glicose.

Um dos exames mais utilizados é o teste da glicemia de jejum. Este teste mede a quantidade de glicose no sangue após um período de jejum de, pelo menos, 8 horas, sendo os valores de referência:

  • Normal: inferior a 99 mg/dL;
  • Pré-diabetes: entre 100 a 125 mg/dL;
  • Diabetes: acima de 126 mg/dL.

Como é o tratamento da diabetes?

Embora alguns cuidados sejam considerados gerais para tratar qualquer tipo de diabetes, como cuidar da alimentação e praticar atividades físicas, o tratamento pode variar um pouco de acordo com o tipo da diabetes:

Na diabetes tipo 1, o principal tratamento é o uso diário de insulina injetável, geralmente pela manhã, já que o organismo não consegue produzir o hormônio. É necessário também medir a glicemia antes e após as refeições para avaliar se é necessário fazer alguma injeção extra de insulina.

Já na diabetes tipo 2, nem sempre é preciso o uso de medicamentos ou de insulina. É possível,  dependendo dos níveis de açúcar no sangue, controlar a glicose apenas com alterações no estilo de vida, principalmente na dieta, com redução da ingestão de alimentos açucarados e carboidratos, assim como a prática regular de exercício físico.

Como deve ser a dieta dos diabéticos? 

Um dos passos mais importantes para controlar a diabetes é a adequação da dieta, que deve ser principalmente baseada na redução do consumo de açúcar e de alimentos ricos em carboidratos

O ideal é que a dieta seja orientada por um médico ou nutricionista, sendo considerados alimentos “proibidos”:

  • Doces em geral;
  • Bebidas açucaradas;
  • Bebidas alcoólicas.

Outros alimentos, como frutas, arroz ou macarrão, podem ser consumidos com moderação

Mas a boa notícia é que existem alimentos que ajudam a controlar melhor a diabetes, como os grãos integrais, os legumes e as oleaginosas, por exemplo.

Se gostou deste artigo e deseja saber mais sobre cuidados com a saúde, continue acompanhando nosso blog. Temos sempre novidades que podem te ajudar a viver mais e melhor. Caso tenha interesse em conhecer mais sobre produtos para diabetes, conheça a nossa loja!

Anterior

Quais são os benefícios do alongamento muscular?

III JAMEG discute sobre o currículo ideal para as vagas de residência médica

Próximo

Deixe um comentário