Saiba como fazer corretamente o descarte de material hospitalar
>>>Saiba como fazer corretamente o descarte de material hospitalar

Saiba como fazer corretamente o descarte de material hospitalar

Por |2019-10-10T15:48:41+00:0008/03/2019|Cuidados com a saúde, Produtos para Saúde|0 comentários

Fazer o descarte de material hospitalar corretamente é um procedimento muito importante, pois esses resíduos podem ser altamente infectantes e nocivos aos seres humanos, além de poluírem o meio ambiente. Você sabe o que fazer com as seringas, ataduras, remédios etc. que utiliza em casa? Entende quais riscos eles trazem caso não sejam jogados fora com segurança?

Elaboramos este artigo para esclarecer por que é importante fazer um descarte de material hospitalar adequado, bem como para mostrar quais são os procedimentos. Confira!

Por que fazer o descarte de material hospitalar corretamente?

Atualmente, fala-se muito sobre coleta seletiva e reciclagem do lixo produzido pela população. Entretanto, também é preciso atentar-se ao destino correto dos resíduos hospitalares — como materiais biológicos contaminados com sangue ou patógenos, seringas, peças anatômicas e outros itens que trazem substâncias tóxicas, inflamáveis e até mesmo radioativas. Isso porque, como já apontamos, eles podem representar grandes riscos à saúde humana e à natureza.

Para sermos mais específicos, a maior ameaça do lixo hospitalar é causada pela presença de agentes biológicos, como sangue, secreções, excreções humanas, tecidos, partes de órgãos, peças anatômicas etc. A entrada desses materiais em contato com o solo ou com a água provoca sérios danos à vegetação e aos lençóis freáticos. Por fim, é preciso também lembrar que esses itens podem acabar não só contaminando aqueles que entram em contato direto com o lixo, como também os machucando, no caso de seringas e objetos cortantes.

Quais são os tipos de lixos infectantes?

Para orientar o acondicionamento e descarte do lixo hospitalar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) criou algumas regras que devem ser seguidas tanto por hospitais, clínicas e afins quanto pelas pessoas que utilizam desses materiais em casa. Antes de conferirmos o que deve ser feito com esses materiais, é preciso entender primeiramente quais os tipos de resíduos existentes. Veja:

  • grupo A — materiais potencialmente infectantes os quais apresentam agentes biológicos e risco de infecção, como bolsas de sangue contaminado etc;
  • grupo B — itens com substâncias químicas que causam risco à saúde ou ao meio ambiente, como medicamentos para tratamento de câncer, entre outros;
  • grupo C (rejeitos radioativos) — resíduos que apresentam cargas elevadas de radioatividade e que, portanto, não podem ser reutilizados. Um exemplo são os exames de medicina nuclear;
  • grupo D — qualquer lixo hospitalar não contaminado e que não apresente riscos de provocar acidentes, como luvas, curativos, gazes etc;
  • grupo E — todos os materiais capazes de furar ou cortar, como agulhas, lâminas, bisturis, entre outros.

É claro que nem todos esses materiais são utilizados em casa. Contudo, aqueles que são devem receber o descarte correto, como mostraremos a seguir.

Quais são os procedimentos necessários para fazer o descarte com segurança?

Muitas pessoas apresentam condições que, para serem tratadas, requerem o uso de agulhas, aparelhos clínicos e demais materiais hospitalares em casa. Nesses casos, o descarte deve ser feito em uma caixa específica de coleta para acondicionar os itens contaminados — em grande parte das vezes, entregue, inclusive, pela empresa ou laboratório responsável por esses medicamentos e materiais.

As caixas de coleta contam com uma linha tracejada que indica até onde o resíduo deve permanecer para que não haja nenhum risco de acidente. Quando o material atingir essa linha, a caixa deve ser fechada, lacrada (seguindo as suas instruções apresentadas) e identificada com o nome do paciente. Em seguida, ela deve ser entregue para uma empresa especializada. Para tanto, você pode procurar um hospital ou posto de saúde próximo para deixá-la, uma vez que esses itens não devem ser jogados fora na coleta comum.

Como você pôde perceber, fazer o descarte de material hospitalar de forma adequada evita que esses itens acabem no lixo comum e que, consequentemente, contaminem as pessoas, a água e o meio ambiente como um todo. Sendo assim, não deixe de considerar as dicas e informações do artigo no momento de jogar fora os resíduos hospitalares utilizados em casa, levando-os aos pontos de coleta apropriados.

Gostou do tema que trouxemos no post? Para continuar por dentro de mais novidades e conteúdos como este, não fique de fora: assine agora mesmo a nossa newsletter!

Deixe seu comentário