4 dicas de como tratar a bronquite asmática | Maconequi
>>>4 dicas de como tratar a bronquite asmática

4 dicas de como tratar a bronquite asmática

Por |2019-07-16T14:37:41+00:0025/12/2018|Cuidados com a saúde, Prevenção|0 comentários

Diariamente muitas pessoas sofrem com uma doença que ataca sem avisar e chega a partir uma mudança de temperatura ou de ambiente. É preciso ficar alerta, pois é possível aliviar os sintomas se você souber como tratar a bronquite asmática.

Essa condição sorrateira é causada geralmente por alergias que inflamam os brônquios pulmonares, ou seja, os dutos que levam o ar aos nossos pulmões quando respiramos.

O principal determinante da bronquite é o fator hereditário. No entanto, pessoas que não têm nenhum histórico familiar podem ser acometidas por doenças respiratórias em qualquer fase da vida.

É preciso ficar alerta, pois é possível aliviar os sintomas se você souber como tratar a bronquite asmática.  Confira um pouco mais sobre o que é a bronquite, e qual a melhor maneira de tratá-la.

Você sabe o que é bronquite e quais os sintomas ela causa?

A bronquite é  uma doença que afeta a respiração. Ela é caracterizada pela inflamação dos brônquios, que são os responsáveis por levar o oxigênio até os pulmões. Ela pode ser classificada em dois tipos:

Bronquite Crônica:

É um processo de inflamação crônica dos brônquios. Geralmente, ele é secundário ao uso do tabaco ou a algum tipo de alergia (bronquite asmática).

Esse tipo é mais grave, podendo durar muitos meses ou até anos. É uma enfermidade pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

A principal causa é o consumo exagerado de tabaco, ou seja, os fumantes estão mais sujeitos ao desenvolvimento dela. Outro fator de risco é a poluição ambiental e no próprio ambiente de trabalho. A asma também pode causar a bronquite crônica.

Bronquite Aguda:

É normalmente resultante de ação virótica. Geralmente vem acompanhada por gripes e resfriados, que são outras infecções virais que acometem as vias respiratórias.

No começo, esse tipo afeta a garganta e o nariz, alcançando depois os pulmões. Em alguns momentos, pode acontecer que alguma bactéria infeccione de forma secundária as vias respiratórias. Desse modo, o paciente fica infectado por vírus e bactéria concomitantemente.

Outro nome da bronquite aguda é resfriado torácico. Ela pode durar até 10 dias embora a tosse venha persistir por semanas.

Sintomas:

  • Tosse acompanhada de formação de muco.
  • Fadiga.
  • Chiado ou ronco no peito.
  • Calafrios e febre.
  • Dificuldades para respirar e falta de ar.
  • Sensação de desconforto no peito.

Em alguns casos também podem aparecer lábios roxos, inchaços nos membros inferiores e infecções respiratórias constantes, como resfriados e gripes (bronquite crônica).

Quando surgir alguma dúvida, procure um médico para avaliar sua condição porque, se não tratados, esses sintomas podem evoluir para uma pneumonia e, no caso da doença crônica, até para uma embolia pulmonar.

4 Dicas para tratar a bronquite asmática

1. Adote hábitos saudáveis

O agravo na doença pode ser causado por hábitos não saudáveis, como fumar ou trabalhar em ambientes que exalem substâncias irritantes às vias respiratórias.

Se você não é fumante, mas está exposto a esses locais, tente usar máscaras de proteção para não entrar em contato com gases prejudiciais e, se possível, mantenha ligado um umidificador em sua sala para melhorar a qualidade do ar.

Em casa, pratique atividades ao ar livre e mantenha uma alimentação saudável para fortalecer a sua imunidade. Além de manter a higiene lavando as mãos e a vacinação em dia, já que os casos de bronquite aguda são causados por vírus em sua maioria.

2. Use medicamentos conforme orientação médica

Quando há uma inflamação, o uso de medicamentos se faz necessário para facilitar a passagem de ar e aliviar os sintomas.

Os médicos habilitados a receitar e orientar o uso são principalmente os pneumologistas, alergistas, clínicos gerais, imunologistas e pediatras.

A medicação é destinada para conter a inflamação e diminuir as crises (anti-inflamatórios) e bronco-dilatadores para aliviar a falta de ar.

Durante a gravidez, o uso dessas medicações deve ser monitorado, porém, se a mulher já estiver habituada ao uso, não haverá complicações.

Para os bebês, é aconselhável às mães investir em um bom nebulizador para que os remédios sejam administrados, diluídos em soro fisiológico.

3. Faça fisioterapia

A fisioterapia é muito eficaz para melhorar a capacidade pulmonar do paciente por meio de exercícios respiratórios. Dessa maneira, notamos melhora na respiração e no condicionamento físico, já que eles fortalecem os músculos envolvidos no processo de puxar, soltar e manter o ar nos pulmões.

Saber respirar corretamente e ter um pulmão “treinado” pode ajudar muito em momentos de crise alérgica, principalmente porque faz com que o paciente se acalme. O estresse desencadeia ou aumenta ainda mais um quadro agudo.

4. Faça nebulização

O nebulizador é um grande aliado para quem sofre com bronquite. A nebulização/inalação ajuda o remédio (ou soro fisiológico) a chegar mais rápido aos brônquios, o que melhora a respiração e alivia a sensação de falta de ar.

Isso porque diferente dos medicamentos de uso oral que precisam passar pelo aparelho digestivo para fazer efeito, a inalação atinge de forma rápida e eficaz diretamente os pulmões acelerando o processo do tratamento.

O nebulizador é de uso adulto e  infantil. Atualmente no mercado pode ser encontrado nos modelos de ar comprimido e ultrassônico, com preços  acessíveis. Consulte seu médico e veja qual modelo se adequa melhor ao seu tratamento.

Outra maneira de cuidado é medir a taxa de oxigênio no sangue. Para isso o  médico utiliza um oxímetro, com o qual acompanha e evita que a falta de ar sentida pelo paciente sobrecarregue outros órgãos e os prejudique. Caso seja necessário, haverá encaminhamento para que ele receba mais oxigênio.

Evite se automedicar e siga as dicas de saúde respiratória em nosso blog. Conheça também nossa linha adulto e infantil de nebulizadores.

Deixe seu comentário