Início>Cuidados com a saúde, Prevenção, Produtos para Saúde>Aferir pressão: como realizar esse procedimento corretamente?

Aferir pressão: como realizar esse procedimento corretamente?

A hipertensão é uma doença crônica, normalmente descoberta após o aparecimento de complicações como o infarto e o AVC. Por ser silenciosa, a prevenção é fundamental. Para isso, o ideal é tomar alguns cuidados com a saúde, como aferir a pressão arterial regularmente.

Para concluir o diagnóstico, é necessário realizar o procedimento com acompanhamento médico pelo menos uma vez por ano. Isso pode variar dependendo do histórico do paciente. Embora a hipertensão seja determinada apenas pelo médico, aferições contínuas podem ser realizadas em farmácias, pronto-socorro ou até mesmo em casa.

Elas devem ser efetuadas ao menos uma vez por semana em indivíduos hipertensos; anualmente, em pessoas saudáveis; e sempre que houver a manifestação de alguns sintomas, como dor de cabeça ou nos olhos e tontura.

Por causa da correria do dia a dia, nem sempre temos tempo de passar na farmácia ou no posto de saúde para verificar a pressão. Se você cuida de alguém da família com dificuldade de locomoção, as aferições frequentes tornam-se ainda mais complicadas. Por esses motivos, é muito interessante aprender como aferir a pressão arterial em casa.

Quais considerações importantes devem ser observadas para a aferição da pressão?

A aferição deve ser realizada:

  • em um ambiente calmo;
  • após 5 minutos de repouso;
  • preferencialmente em jejum e no período da manhã, antes de tomar qualquer medicamento;
  • com a bexiga vazia;
  • após 30 minutos, se consumiu cafeína ou fumou;
  • após 60 minutos, se realizou alguma atividade física;
  • vestindo roupas folgadas;
  • com o paciente relaxado, sentado em uma cadeira, com as pernas descruzadas e os pés apoiados no chão;
  • utilizando preferencialmente o braço esquerdo, com o cotovelo apoiado em uma superfície, de modo que a braçadeira fique na altura do coração, com a palma da mão voltada para cima.

Como aferir a pressão com o esfigmomanômetro?

Além do esfigmomanômetro, essa aferição também requer o uso do estetoscópio, seguindo os passos:

  • posicionar a cabeça do estetoscópio na dobra do braço esquerdo e encontrar a pulsação;
  • colocar a braçadeira do esfigmomanômetro no mesmo braço, com a parte superior próxima à axila e a inferior a cerca de 2 cm acima da dobra do braço;
  • com o estetoscópio nos ouvidos, fechar a válvula da bomba e encher a braçadeira até 180 mmHg ou até deixar de ouvir sons no estetoscópio.
  • simultaneamente, abrir a válvula aos poucos e observar o manômetro, registrando o valor indicado nele no momento em que ouvir o primeiro ruído;
  • ainda observando o manômetro, esvaziar a braçadeira totalmente até não ouvir mais o som — momento em que o valor indicado no aparelho de pressão também deve ser registrado;
  • fazer a interpretação dos 2 valores anotados. Por exemplo: o primeiro foi 120 mmHg, e o segundo foi 80 mmHg — teremos, então, uma pressão arterial de 120/80 mmHg ou 12×8.

Como aferir a pressão com o monitor digital de braço?

De maneira semelhante à aferição manual, o processo com monitor digital de braço funciona da seguinte forma:

  • colocar a braçadeira do aparelho no braço, cerca de 2 a 3 cm acima da dobra, com o cuidado de manter o fio na parte de cima do braço;
  • ligar o equipamento e aguardar a leitura da pressão.

Nos aparelhos acompanhados de uma bomba, após posicionar a braçadeira, deve-se apertá-la até o visor indicar 180 mmHg e, então, esperar o aparelho realizar a leitura.

Como aferir a pressão com o monitor digital de pulso?

Esse método é o mais simples de todos, mas também requer cuidado com os detalhes. Para que a medição seja feita da forma mais precisa possível, o ideal é que o aparelho fique posicionado na altura do coração. Para isso, o paciente precisa estar sentado, com o cotovelo apoiado sobre a mesa e o antebraço levantado.

Basta colocar o aparelho no pulso esquerdo, com o cuidado de manter o monitor virado para a sua frente. Em seguida, é só ligá-lo e aguardar a leitura da pressão.

O que fazer se a pressão arterial estiver alta?

A pressão arterial é considerada alta quando o valor da pressão sistólica está acima de 140 mmHg ou o valor da pressão diastólica está acima de 90 mmHg. Esse quadro pode ser silencioso, o que acontece na maioria dos casos, ou ser acompanhado de sintomas como dor de cabeça, visão embaçada, náuseas e tontura.

Quando a pessoa não tem o diagnóstico de hipertensão e a sua pressão não está muito alta (abaixo de 150x90mmHg, por exemplo), é recomendado que ela espere cerca de 1 hora, em repouso, para que sua pressão seja aferida novamente. Isso porque existem vários fatores que podem aumentar a pressão momentaneamente, como o estresse e a ansiedade.

No entanto, se a pessoa já é hipertensa ou a sua pressão arterial está muito alta (acima de 150x90mmHg), é preciso procurar ajuda médica. Normalmente, o indivíduo que convive com o diagnóstico de hipertensão arterial tem em casa remédios capazes de diminuir a pressão para usar nesse momento.

Já quem está com a pressão alta, mas ainda não sabe se é hipertenso, deve marcar uma consulta com o médico, que pode ser um profissional conhecido da família, um clínico ou um cardiologista. Eles estarão aptos para diagnosticar a hipertensão arterial e tratar o problema.

Nesse momento é importante não fumar, não praticar atividades físicas e não ingerir comidas com sal, visto que esses são fatores que aumentam a pressão arterial.

E se a pressão arterial estiver baixa, o que fazer?

Não existe um valor específico para diagnóstico da pressão baixa. Isso porque, para algumas pessoas, a pressão arterial normal é em torno de 120×80 mmHg, enquanto para outras esse valor pode ser 100×80 mmHg. No entanto, é possível reconhecer se a pressão está baixa pelos sinais e sintomas do quadro.

Nesse caso, a pessoa pode sentir fraqueza e sensação de desmaio, cansaço, sede, batimentos cardíacos rápidos, pele fria e sensação de confusão. A hipotensão pode ser causada por perda grave de sangue, que pode ser interna, causada por desidratação e infecções, por exemplo. Também existem condições benignas que tornam a pressão mais baixa, como gravidez ou levantar-se subitamente após muito tempo deitado.

A pressão baixa só se torna um problema quando os sintomas estão presentes, o que geralmente ocorre quando pessoas de pressão normal ou alta tem uma queda brusca dos valores de pressão sanguínea. Nesse momento, é recomendado deitar a pessoa a fim de melhorar a circulação. Deve-se também afrouxar as roupas e levantar as pernas ao nível do coração, o que também propicia uma melhor circulação.

Ao contrário do que muitos pensam, não é recomendado colocar sal diretamente abaixo da língua. Isso porque ele será rapidamente absorvido e pode causar o efeito contrário, ou seja, gerar um pico de pressão.

Esse quadro é relativamente benigno e pode ser resolvido após as medidas acima serem aplicadas por alguns motivos. No entanto, quando ocorre com frequência, é imprescindível procurar assistência médica para elucidar o que está causando os sintomas.

Como escolher o aparelho ideal?

Saber como aferir a pressão e escolher um aparelho de qualidade são medidas importantes para evitar repercussões sérias na saúde, principalmente para pessoas que já têm o diagnóstico de hipertensão arterial. Afinal, um pico de pressão pode desencadear eventos agudos, como o infarto e o acidente vascular encefálico (ou AVC).

Hoje em dia existem uma infinidade de modelos de aparelhos de pressão disponíveis no mercado, o que pode deixar muitos pacientes em dúvida na hora de escolher um modelo que corresponda às suas necessidades.

Medidor analógico

Os medidores analógicos têm uma braçadeira (ou manguito), que é inflada ao apertar um bulbo de borracha, um mostrador (manômetro) e um estetoscópio para auscultação. Oferecem leitura bastante precisa e são geralmente utilizados por profissionais treinados, mas nada impede que o paciente aprenda a utilizá-lo de maneira correta e consiga uma medição fidedigna.

No entanto, eles não são apropriados se você tem audição prejudicada, já que é necessário ouvir o batimento cardíaco por meio do estetoscópio. Eles também podem não se adequar às pessoas com artrite nas mãos, uma vez que a destreza manual é necessária para operar o aparelho.

Os medidores analógicos podem ter dois tipos de manômetro:

  • de mercúrio: bastante precisos, mostram a pressão por meio de uma coluna de mercúrio e não requerem recalibração do aparelho;
  • aneroides: são uma espécie de relógio que mostram os números indicadores da pressão arterial. São considerados mais seguros que os de mercúrio, mas, geralmente, exigem recalibração.

Medidor digital

Os monitores digitais se tornaram muito populares por serem mais fáceis de usar do que os aparelhos de aferir pressão manuais. Eles têm um manguito — cuja insuflação pode ser manual ou automática — que, dependendo do modelo, deve ser colocado no pulso, no dedo ou no braço.

No lugar da auscultação com o estetoscópio, eles utilizam cálculos eletrônicos e medições de oscilação. A leitura da pressão arterial é exibida em uma tela, o que pode ser mais fácil de ler do que um mostrador de mercúrio ou aneroide. Algumas unidades ainda oferecem a opção de impressão em papel que lhe dá um registro da leitura.

Alguns modelos têm também uma memória que registra a pressão arterial ao longo de vários meses, enquanto outros oferecem a função de registro de batimento cardíaco irregular.

O que considerar na escolha do aparelho?

No caso dos aparelhos analógicos ou digitais com braçadeira, escolher um manguito do tamanho certo é crucial para obter uma medição correta. Uma braçadeira muito pequena pode resultar em uma medição da pressão falsamente alta, enquanto uma muito grande tende a acusar erroneamente pressão baixa.

A braçadeira deve ser justa, de forma que não deslize no braço, mas onde você ainda pode deslizar o dedo para baixo. Existem diferentes tamanhos de manguito disponíveis no mercado para acomodar braços maiores ou mais finos.

Os monitores digitais são especialmente bons para pacientes com deficiência auditiva, já que não há necessidade de ouvir o batimento cardíaco por meio do estetoscópio. Seu uso exige apenas que o paciente posicione o monitor no lugar certo, pressione o botão ou infle o manguito e verifique o valor exibido na tela. Simples assim.

Eles são de fácil manuseio e é possível encontrar modelos com inúmeros recursos adicionais, com preços variados. O mais importante é que o paciente, antes de fazer o investimento, pense na qualidade do aparelho e na confiabilidade da marca.

Se você foi diagnosticado com pré-hipertensão, hipertensão ou fatores de risco para o desenvolvimento de pressão alta, é importante saber como aferir a pressão. O ideal é que você a cheque em diferentes momentos do dia e registre essas medições para mostrar ao seu médico durante as consultas.

Recentes avanços na tecnologia médica abriram caminho para os aparelhos para aferir pressão de última geração por preços acessíveis e super fáceis de usar, que qualquer um poderia usar no conforto de casa sem conhecimento especializado ou treinamento.

Agora que você já sabe melhor sobre o assunto, confira em nosso site os modelos disponíveis de aparelho para aferir pressão!

5 Comments

  1. Olá! Gosto muito de seus artigos, sempre com novidades para agradar as pessoas, parabéns.

    • Maconequi 12/11/2019 em 11:56- Responder

      Olá! Desculpe a demora para responder.
      Ficamos felizes em ajudar!
      Abraços!

  2. Olá! estou feliz por achar seus artigos, quanta informações legais, que bom que está compartilhando, parabens.

  3. Kaliana 23/05/2020 em 00:57- Responder

    Posso verificar pressão com aparelho analógico sem o uso do estetoscópio, apenas sentindo a pulsação na artéria braquial?

    • Maconequi 25/05/2020 em 09:37- Responder

      Olá, Kaliana! Tudo bem?
      Se você souber exatamente como fazer esse procedimento, você pode sim verificar dessa forma.
      Caso não tenha muita certeza sobre como fazer, é melhor usar o estetoscópio mesmo.
      Espero ter ajudado.
      Abraços!

Deixar Um Comentário