Acne: O que é, causas e tratamentos

| |

A acne é um problema de pele que atinge mais de 90% dos adolescentes e 56,4% da população adulta. Além disso, os diversos tipos de acne são o motivo que mais levam as pessoas a buscarem tratamentos de pele.

E para que você saiba mais sobre esse problema, suas causas e tratamentos, elaboramos este conteúdo. Acompanhe!

O que é acne

A acne é uma doença de pele que implica no aparecimento de espinhas e cravos, principalmente, no rosto, pescoço, costas e braços. 

Na nossa pele existem glândulas que produzem uma espécie de ‘’gordura’’ que auxilia na barreira de proteção, o chamado sebo. No entanto, quando produzido de forma exagerada, o sebo obstrui os poros, predispondo à proliferação de bactérias. Na tentativa de contê-las, nossas células de defesa produzem pus, formando, assim, os cravos e espinhas que podem ser bastante desconfortáveis.

A acne é muito frequente durante a adolescência, mas também pode ser comum em adultos, principalmente em mulheres. 

Mais do que lesões na pele, a acne pode, principalmente na adolescência, atingir o lado psicológico e tornar a pessoa insegura, tímida, deprimida, infeliz, com rebaixamento da autoestima e com consequências sérias que podem persistir pelo resto da vida.  

E atenção: a acne não é contagiosa e não tem qualquer relação com a “sujeira” da pele ou do sangue.  

As causas da acne

As causas para esse excesso de sebo na pele são diversas, como: 

  • Alterações hormonais, principalmente na adolescência, gravidez e no período menstrual; 
  • Genética;
  • Estresse;
  • Uso de medicamentos como corticóides;
  • Uso indiscriminado de vitaminas do complexo B;
  • Alimentação rica em gordura;
  • Cosméticos com formulações muito oleosas; e
  • Exposição exagerada ao sol.

No mais, a acne pode apresentar piora em determinadas épocas do ano ou mais precisamente no inverno e também quando o paciente tem o hábito de mexer nas lesões, espremendo os cravos e espinhas.  

Os principais tipos de acne existentes

A acne pode ser classificada em diferentes tipos de acordo com as suas características, causas associadas e grau de inflamação. 

Os principais tipos de acne são:

  • Acne grau 1: é o tipo de acne mais comum e normalmente tem início na adolescência, sendo mais frequente de acontecer a partir dos 15 anos tanto em meninos quanto em meninas. É caracterizada pela presença dos cravos, principalmente, na testa, bochechas e nariz. Não  há presença de pus.
  • Acne grau 2: são os cravos e espinhas avermelhadas, inflamadas, dolorosas e, muitas vezes, com pus.
  • Acne grau 3: apresenta nódulos internos inflamados sob a pele, muitas vezes chamados de espinhas internas. Esses nódulos são bastante doloridos e palpáveis.
  • Acne grau 4: é um tipo de acne caracterizada por um conjunto de lesões próximas umas das outras com pus, o que pode levar à formação de abscessos e fístulas na pele.
  • Acne grau 5: é uma forma rara e grave de acne em que além das espinhas surgem outros sintomas como febre, fraqueza e dor muscular. É mais comum em homens e surgem no peito, costas e rosto.
  • Acne medicamentosa: é aquela que surge como consequência do uso de alguns medicamentos, como anticoncepcionais, suplementação prolongada ou excessiva de vitamina B, tratamentos hormonais ou com cortisona.

Para saber mais sobre os diferentes tipos de acne, leia nosso artigo “Saiba quais são os principais tipos de acne e como lidar com elas”.

Tratamentos

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o ideal é começar o tratamento da acne o mais cedo possível. Já está ultrapassada a ideia de que não se deve tratá-la por ser algo comum na adolescência que “some com o tempo”. O controle da acne é recomendado, não só por razões estéticas, mas também para preservar a autoestima e prevenir cicatrizes que são difíceis de apagar no futuro. 

O tratamento da acne, no entanto, pode levar bastante tempo e vai variar de acordo com a causa, tipo e grau das lesões. É necessário verificar se há lesões não inflamatórias (cravos) e/ou inflamatórias (espinhas, nódulos, cistos) e/ou cicatrizes. 

Nos casos leves, o tratamento pode ser apenas local, com inúmeros produtos existentes no mercado, isolados ou combinados, tais como: 

  • Ácido salicílico;
  • Peróxido de benzoíla;
  • Retinoides (tretinoína, adapaleno);
  • Antibióticos (clindamicina e eritromicina); e
  • Ácido azeláico. 

Porém, quando o quadro não evolui bem o tratamento por via oral é associado ao tratamento local, utilizando-se antibióticos específicos por no máximo, três meses, em um ou até três ciclos. 

O tratamento hormonal, com anticoncepcionais orais, é sempre útil para as mulheres, desde que não existam contraindicações. 

Quando não há uma boa resposta aos tratamentos e se percebe uma tendência para cicatrizes deve ser indicada a isotretinoína oral. Porém, essa droga tem contra indicações e efeitos colaterais como ressecamento dos lábios, nariz, olhos, pele do corpo e aumento do colesterol, triglicerídeos e enzimas hepáticas.

Portanto, são necessários exames de sangue antes e durante o tratamento, bem como aguardar a menstruação para iniciar o tratamento e se assegurar sobre o uso de métodos anticoncepcionais, iniciado um mês antes, e  mantido durante todo o tratamento e por um período de um mês após a suspensão da droga. 

Por fim, existem procedimentos complementares que ajudam no controle da acne, como:

  • Extração dos cravos; 
  • Drenagem de abscessos;
  • Infiltração com corticóides em lesões nodulares muito inflamadas ou em cicatrizes elevadas;
  • Peelings químicos;
  • Microdermabrasão; 
  • Alguns tipos de laser;
  • Esfoliações químicas; e
  • Limpeza de pele, quando bem indicada pelo dermatologista, e bem executada por esteticista treinado.

Cuidados diários para evitar os diversos tipos de acne 

Quem tem acne não deve, em nenhuma hipótese, cutucar ou espremer as lesões, pois isso pode levar à infecção, inflamação e cicatrizes.

Para evitar acnes, é muito importante manter a pele sempre limpa. A higienização diária irá eliminar o excesso de oleosidade, desobstruir os poros e evitar que a sujeira se acumule. 

Outro cuidado importante é a hidratação. Quando a pele está seca ela acaba produzindo mais sebo para que haja a hidratação natural da pele, que pode acarretar no aparecimento de acnes. Assim, use creme hidratante e beba bastante líquido para manter a pele sempre hidratada.

Por fim, antes de qualquer tipo de tratamento, procure o seu dermatologista para uma consulta.

Anterior

Saiba quais são os principais tipos de acne e como lidar com elas

Tipos de urticária: conheça suas causas e tratamentos

Próximo

Deixe um comentário